logo_Casa_999759_Prancheta 1.png

Rosana Torralba
Valeria Scornaienchi
Vane Barini
Vani Caruso
Vera Figueiredo

Jardins Telúricos

Curadoria: Fabiana Bruno

Live com as artistas
Jardins Telúricos
Em cartaz de 29/fev a 26/mar/2022

Esta exposição contempla uma série de jardins expandidos, criados por cinco artistas integrantes do grupo Farol 81 e expressos na forma de desenhos, monotipias, fotografias, vídeos, objetos e instalações. Jardins imaginários ou ditos reais coexistem em seus tempos, presente, passado e futuro em conexão com o estado de uma natureza viva. A mostra é uma interrogação indelével sobre a chamada humanidade e sua relação interespécie, o cultivar e o moldar o corpo, os mistérios da vida e as possibilidades de existir de diferentes modos. As cinco artistas-jardineiras, Rosana Torralba, Valéria Scornaienchi, Vane Barini, Vani Caruso e Vera Figueiredo, com suas expressões artísticas, ocupam este espaço expositivo da Casa de Eva e selam um convite à reflexão saborosa sobre a vida em seu estado de metamorfose, de nascimentos e renascimentos. Buscando relações entre as vibrações internas e invisíveis do universo vegetal com o artístico, as artistas recriam “mundos-jardins” e oferecem ao público uma viagem telúrica embebida por “pensamentos-jardins”, na qual as obras visuais se amalgamam com plantas, folhas, cascas e, sobretudo, com o tempo e a memória dos jardins. Afinal, como escreve Emanuele Coccia, “A vida é sempre a reencarnação do não vivo, a bricolagem do mineral, o carnaval da substância telúrica do planeta – Gaia, a Terra – que não para de multiplicar suas faces e seus modos de ser, na mínima partícula de seu corpo díspar, heteróclito. Cada eu é um veículo para a Terra, uma nave que permite ao planeta viajar sem se mover.”1

 

1Coccia, Emanuele, Metamorfoses. Tradução de Madeleine Deschamps e Victoria Mouawad, 1. Ed. Rio de Janeiro, Dantes Editora, 2020, p. 16.

 

Fabiana Bruno

FICHA TÉCNICA

Curadoria: Fabiana Bruno

Montagem e iluminação: Rogério Borges

Comunicação Visual: Camila Almeida

Agradecimentos especiais a Ana Angélica Costa, Mariana Vilela e Fabiana Bruno

Rosana Torralba

Paulistana, mora e trabalha em Campinas, São Paulo. Artista visual graduada na FAAP, em 1987. Em seu processo, a artista se apropria de objetos e elementos efêmeros que norteiam a criação para as suas instalações, vídeos, impressões, fotografias, livros de artista e performances. Em sua trajetória, os componentes usados nas obras, buscam refletir sobre a essência, as correspondências e transições da vida. Participou de várias exposições coletivas, individuais e de Salões de Arte Contemporânea, no Brasil e no exterior.
rosanatorralba.com @rosana.torralba

Valeria Scornaienchi

Artista visual. Nasceu, mora e trabalha em Campinas SP. A artista utiliza de várias linguagens para desenvolver suas pesquisas voltadas à arte, natureza e livros. Encontra na confluência entre processo e espaço expositivo um lugar de reflexão. Participou de várias exposições individuais e coletivas.
valeriascornaienchi.com @valeriascornaienchi

Vane Barini

Vane Barini vive e trabalha em Campinas. Graduada em Arquitetura e Urbanismo, voltou-se primeiramente para a Fotografia Analógica e depois para as Artes Plásticas. Constrói seu trabalho quase sempre a partir de fotografias. Nas ruas, tomando cenas cotidianas de pessoas comuns, quase sempre urbanas, a partir de certa distância e muitas vezes através de anteparos, a artista constrói séries de narrativas. Alguns outros temas relevantes para ela também são a paisagem, o uso de fotografias vernaculares, os vídeos feitos a partir de fotografias e os Livros de Artista.
vanebarini.com @vanebarini

Vani Caruso

Artista Visual. Mora e trabalha em Campinas, São Paulo, Brasil. Graduada em Matemática PUCC (1977), sua pesquisa é, em suas palavras: "sobre a linha, o movimento, o experimento, o acaso e sobre como as coisas que acontecem ao meu redor me atravessam. Habito meu trabalho na liberdade, na não liberdade, nas amarras dos fios, nos afetos, nos esquecimentos, no tempo e no espaço." Faz uso do desenho, enquanto texto, imagem, fio, objeto, linha, som e outras derivações possíveis, que constroem luz e sombra, deslocam a imagem no espaço e criam planos. Uma linha de fuga que se faz a criação. Imaginação ou sonho, ritmos que deslocam o olhar, fragmentos que se sobrepõem e formas geométricas que se misturam. O todo e a parte, a parte e o todo. Participou de exposições individuais, coletivas e de Salões de Arte Contemporânea no Brasil e no Exterior.
vanicaruso.com @vani.caruso

Vera Figueiredo

Nascida em Marília SP, em 1948. Artista visual após 35 anos de dedicação à Matemática na UNICAMP. Sua pesquisa busca criar conexões entre coisas de naturezas distintas. Cresceu entre fios, observando formas. Memórias afetivas e formação acadêmica se unem na produção da artista. Na experimentação compartilhada em Jardins Telúricos, procura linhas que costuram caminhos entre palavras e imagens
verafigueiredo.com @veralfigueiredo